Articulação tem papel central para garantir a implementação da política de saneamento no País

O secretário nacional de Saneamento, Jônathas de Castro, do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), defendeu que o trabalho articulado entre os diversos atores do setor é preponderante para garantir a implementação de uma política pública de saneamento eficiente e que possa atender todos os cidadãos brasileiros. O gestor participou recentemente do seminário ‘Finanças Climáticas e Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos’, organizado pelo MDR e pela Agência de Cooperação Alemã (GIZ, na sigla em alemão), com apoio da Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE).

“Articulação é a palavra-chave para caminharmos e fazermos um trabalho integrado. No âmbito da Secretaria de Saneamento, temos buscado trabalhar em parceria com aqueles atores fundamentais a fim de garantir a implementação da política pública. O nosso foco é sempre voltado a atender o interesse da população e precisamos fazer isso de forma articulada”, ressaltou o secretário.

Jônathas de Castro também apontou a importância da construção de uma agenda específica para tratar da questão dos resíduos sólidos no Brasil. Levantamentos apontam que apenas 36% dos rejeitos coletados pelas redes de esgoto têm destinação adequada. Por isso, acredita o secretário do MDR, é necessário criar mecanismos para estimular investimentos nesse campo do saneamento. “Precisamos assegurar que os resíduos sólidos urbanos entrem de fato na pauta do País e que esse tema avance”, observou.

O seminário ‘Finanças Climáticas e Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos’ foi organizado no âmbito do ProteGEEr. O projeto de cooperação técnica entre Brasil e Alemanha busca a promoção de uma gestão sustentável e integrada de resíduos sólidos urbanos, a preservação dos recursos naturais e a redução do uso de energia e emissão de gases de efeito estufa (GEE) em atividades de saneamento básico. A iniciativa é implementada a partir de parceria entre o MDR, o Ministério do Meio Ambiente, a Agência Brasileira de Cooperação e a Cooperação Brasil-Alemanha por meio da GIZ.

 

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Regional