Bolsa Família: acompanhamento da frequência escolar bate mais um recorde

Levantamento aponta que 89,81% dos alunos foram acompanhados em abril e maio de 2019, melhor cobertura registrada para o período

O acompanhamento da frequência escolar do Bolsa Família bate novo recorde. Dos quase 14 milhões de estudantes contemplados pelo programa, 12,6 milhões foram acompanhados entre os meses de abril e maio. Dado equivale a 89,81% do total de alunos e representa a melhor cobertura já registrada para o período. A realização deste monitoramento envolve escolas, secretarias municipais e estaduais de educação e a articulação dos ministérios da Cidadania e da Educação.

O secretário especial do Desenvolvimento Social do Ministério da Cidadania, Lelo Coimbra, destaca que é muito importante as famílias cumprirem seus compromissos de saúde e educação, previstos nas condicionalidades do programa. Ele avalia que, no caso da educação, manter a criança ou o jovem regularmente na escola abre uma janela para que todos tenham um futuro melhor. “É uma perspectiva fundamental estar em sala de aula, buscar uma formação para que esse jovem e essa criança possam ter a oportunidade de mudar a vida das suas famílias”. O acompanhamento da frequência escolar dos beneficiários do Bolsa Família é feito cinco vezes ao ano.

Segundo a coordenadora-geral de acompanhamento das condicionalidades do Departamento de Condicionalidades do Ministério da Cidadania, Luciana Seabra, caso o registro indique descumprimento da frequência escolar, o poder público consegue chegar a esse beneficiário e identificar que dificuldades está passando para garantir o seu direito de acesso à educação. “Esse dado pode indicar uma situação de vulnerabilidade que o beneficiário e sua família estão vivenciando e que está impedindo seu acesso à educação. Por isso a importância da indicação correta do motivo de descumprimento”, pontuou.

A frequência escolar mensal é um compromisso assumido pelas famílias com criança e adolescente em idade escolar ao ingressarem no programa – o mínimo é de 85% para beneficiários de 6 a 15 anos e de 75% para os jovens que recebem o Benefício Variável Vinculado ao Adolescente (BVJ).

 

Fonte: Ascom | Ministério da Cidadania