Bolsa Família receberá recursos para reforço nutricional e combate à obesidade em crianças e gestantes

Serão destinados mais de R$ 345 milhões para enfrentamento à pandemia

Uma nova portaria assinada pelo Governo Federal, na última semana, garantiu um repasse de mais de R$ 345 milhões para o combate à desnutrição e à obesidade de crianças e gestantes atendidas pelo Bolsa Família durante a pandemia de Covid-19.

Dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional do Ministério da Saúde indicam que 8,2% das crianças com menos de cinco anos atendidas pelo Bolsa Família apresentam desnutrição e 7,6%, obesidade. Entre as crianças com idade entre cinco e sete anos, 7,1% apresentam desnutrição e 12,8%, obesidade. Já entre as gestantes, 17,1% apresentam baixo peso e 19,3% obesidade para a idade gestacional.

Os recursos integram um repasse de quase R$ 1 bilhão do Ministério da Saúde para o enfrentamento à Covid-19 na atenção primária, considerada a porta de entrada de pacientes no Sistema Único de Saúde (SUS).

Com os recursos adicionais, será possível ampliar a Vigilância Alimentar e Nutricional Individual, por meio de busca ativa; acompanhar a saúde de menores de sete anos e grávidas e implementar ações integradas de caráter familiar e comunitário para segurança alimentar.

A portaria garante ainda a possibilidade de ações de prevenção e promoção da saúde, como aferição de peso, altura e avaliação do consumo alimentar; realização de acompanhamento individual de saúde, como o crescimento e desenvolvimento infantil e pré-natal; acompanhamento de condicionalidades de saúde do Bolsa Família; e implementação de ações com outros setores para além da saúde, para prevenção, controle e tratamento da má nutrição.

Do total de recursos alocados pelo Governo Federal, R$ 120 milhões se voltam, ainda, para ações estratégicas de apoio ao cuidado de pessoas idosas, além de fortalecer equipes de assistência à saúde de povos e comunidades tradicionais com outros R$ 48,3 milhões.

 

Com informações do Ministério da Cidadania.