Conheça ações do Ministério da Saúde para doações de sangue seguras durante a pandemia

Entre as principais medidas estão transferências de bolsas de sangue entre estados, assepsia e agendamento de doação

De maneira inédita, de janeiro a setembro deste ano, o Ministério da Saúde fez transferências de bolsas de sangue de regiões com estoques satisfatórios para outras localidades com menor estoque. A iniciativa foi possível porque a pasta está monitorando os estoques dos maiores bancos de sangue de todo o país para ajudar estados com estoques críticos durante a pandemia.

Até o momento, foram mobilizadas 1.600 bolsas de sangue dentro do país. Se considerarmos a taxa de doação de sangue de, aproximadamente, 2% da população, é como se uma cidade inteira, de 80 mil a 130 mil habitantes, tivesse doado sangue durante um ano. “Isso foi uma medida de extrema importância que possibilitou que a gente não tivesse nenhuma interrupção de tratamento no país pela falta do sangue”, afirmou o coordenador-geral de Sangue e Hemoderivados da pasta, Rodolfo Firmino.

De acordo com o coordenador-geral, a iniciativa permitiu que a rede de sangue brasileira se tornasse legitimamente nacional.

O Ministério da Saúde garante que todos os hemocentros brasileiros são completamente seguros, independentemente do cenário da pandemia. “Todo material utilizado é descartável e só pode ser usado naquela doação. Não há a menor chance de um doador contrair uma doença infectocontagiosa pelo simples ato da doação”, explicou Firmino.

Os hemocentros estão preparados para receber os candidatos com segurança, disponibilizando condições de lavagem de mãos ou uso de antissépticos e realização de doação sem exposição a aglomerados de pessoas, por meio de agendamentos de coleta e outras estratégias, tais como o distanciamento entre as cadeiras de coleta.

Além disso, cuidados com a higienização das áreas, instrumentos e superfícies também têm sido intensificados pelos hemocentros, tornando-os ambientes ainda mais seguros aos doadores na prevenção da Covid-19.

Além de acidentes, situação comum para a transfusão de sangue, as bolsas são necessárias em outras situações, como tratamento de leucemia e de outros tipos de cânceres graves. Para esses casos, os pacientes necessitam de transfusão diária de sangue. “Doar sangue ajuda a salvar uma vida. Esse ato pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso de um tratamento. Doe sangue, ajude o próximo”, afirmou Rodolfo Firmino.

CRITÉRIOS PARA DOAR

-Ter idade entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos (menores de 18 anos precisam de consentimento formal do responsável legal);

– Pesar no mínimo 50 kg;

– Estar alimentado. Não ingerir alimentos gordurosos antes da doação;

– Ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas;

– Apresentar documento de identificação com foto emitido por órgão oficial (Carteira de Identidade, Carteira Nacional de Habilitação, Carteira de Trabalho, Passaporte, Registro Nacional de Estrangeiro, Certificado de Reservista e Carteira Profissional emitida por classe). Serão aceitos documentos digitais com foto.

IMPEDIMENTOS TEMPORÁRIOS

– Gripe, resfriado e febre: aguardar 7 dias após o desaparecimento dos sintomas;

– Infecção pelo novo coronavírus (COVID-19): aguardar 30 dias após a completa recuperação;

– Período gestacional;

– Período pós-gravidez: 90 dias para parto normal e 180 dias para cesariana;

– Amamentação: até 12 meses após o parto;

– Ingestão de bebida alcoólica (aguardar 12 horas após o consumo);

– Exames/procedimentos com utilização de endoscópio nos últimos 6 meses;

– Vacina da febre amarela ou sarampo: aguardar 4 semanas após a vacinação;

– Tratamento dentário cirúrgico (como extração, tratamento de canal): 7 dias após o procedimento e/ou suspensão dos medicamentos.

CRITÉRIOS DEFINITIVOS DE IMPEDIMENTO

– Ter passado por um quadro de hepatite após os 11 anos de idade;

– Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças transmissíveis pelo sangue: hepatites B e C, Aids (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV 1 e 2 e doença de Chagas;

– Uso de drogas ilícitas injetáveis.

COMO DOAR

Para doar sangue, informe-se no hemocentro mais próximo e saiba como doar em segurança.

Mais informações em: https://portalarquivos.saude.gov.br/campanhas/doesangue/

 

 

Fonte: Ministério da Saúde