Governo do Paraná estuda adoção de modelo híbrido permanente de trabalho para servidores

Economia foi de R$ 47,3 milhões, entre manutenção e abastecimento de veículos e viagens oficiais

Adotado pelo Governo do Estado durante a pandemia da Covid-19, o teletrabalho trouxe resultados expressivos em economia e produtividade. Ferramentas online como o eProtocolo e o Sistema de Gestão de Materiais e Serviços (GMS) deram agilidade ao trabalho dos servidores e permitiram a realização de tarefas de forma remota e segura.

O prazo médio para o término de um processo licitatório, por exemplo, caiu quase 50% com a introdução da tecnologia digital. Também houve redução significativa de custos. Só com deslocamento, o governo economizou R$ 47,3 milhões, entre manutenção e abastecimento de veículos e viagens oficiais.

Com os resultados e a experiência obtida, o governo do estado do Paraná iniciou estudos para avaliar a viabilidade da adoção do teletrabalho no pós-pandemia. O projeto está sendo desenvolvido em conjunto pela Casa Civil e a Secretaria da Administração e da Previdência.

“Adotamos o teletrabalho numa emergência e para funcionar tivemos que acelerar projetos e adaptar a forma de gestão para permitir a execução eficiente do trabalho de forma remota. Os resultados mostraram que esta é uma alternativa viável, que pode ser uma opção em algumas atividades do governo”, explica o chefe da Casa Civil, Guto Silva.

A opção mais viável, adianta Silva, deve ser por um modelo híbrido, que mescle o ambiente remoto e o físico, considerando atividades que não necessitem da presença permanente do servidor no local.

Equipes da Seap e da Casa Civil analisam as melhores possibilidades e como os servidores que estiveram e ainda estão trabalhando de casa lidam com esse modelo. Dos cerca de 140 mil servidores ativos, 75% chegaram a exercer suas funções em teletrabalho. Atualmente, 5.097 pessoas continuam atuando de forma virtual.

“Isso é o que está sendo discutido no momento, como fazer essa transição, a adaptação dos servidores e as mudanças necessárias para a implantação de um modelo híbrido no Estado”, informa o secretário da Administração e da Previdência, Marcel Micheletto.

 

Com informações da Agência de Notícias do Paraná.