Ministério capacita gestores de 36 municípios para a implementação do Programa Viver

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), por meio da Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa (SNDPI), realizou recentemente o Curso de Capacitação dos Gestores Municipais para a implementação do Programa Viver – Envelhecimento Ativo e Saudável.

Na ocasião foi assinado um termo de adesão simbólica ao Programa. O evento contou com a presença de 56 representantes de municípios do Acre, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Paraíba, Piauí, Tocantins, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Roraima, São Paulo, além do Distrito Federal.

O principal objetivo do curso consistiu em subsidiar e orientar os gestores dos municípios no que tange aos objetivos, ferramentas, critérios para a adesão, acompanhamento e monitoramento dos cursos e inscritos e prestação de contas dos equipamentos doados e atividades executadas, além da necessidade de um conselho municipal dos direitos da pessoa idosa atuante.

Pelo MMFDH, integraram a mesa de abertura o ministro interino Sergio Carazza, o secretário nacional de Promoção e Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa, Antonio Costa, a diretora de Políticas Temáticas dos Direitos da Pessoa Idosa, Laura Santos, o subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração, Alexandre Teixeira, e a secretária nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, Petrúcia de Melo. Também estiveram presentes o subsecretário do Idoso do Governo do Distrito Federal, Washington Mesquita, e o prefeito de Votuporanga/SP, João Dado.

Programa Viver

“Esse Programa Viver é uma semente pequena, mas que vai se desenvolver a partir do momento em que cada gestor implementar em seu município, para iniciar ou complementar as atividades voltadas para a pessoa idosa, com respeito à política municipal do idoso. Já nos anos 2000, a Organização Mundial de Saúde demonstrava o crescimento populacional dessa faixa de idade, em especial no nosso país, sendo configurado a partir de 2002, na Segunda Conferência de Madrid a necessidade de políticas públicas no mundo todo para receber esse aumento populacional. Segundo pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a partir de 2060 a população de pessoas idosas deve quadruplicar. Por isso são urgentes a implementação de iniciativas como essa”, considerou o secretário Antonio Costa.

Painéis

De acordo com a coordenadora-geral da Política de Envelhecimento Ativo e Saudável do ministério, Rafaela Lisboa Ferreira, que ministrou a palestra “Conhecendo o Programa Viver”, o objetivo do Programa é a inclusão digital e social da pessoa idosa, assegurando sua participação na sociedade e proporcionando uma melhor qualidade de vida no processo de envelhecimento. “Os campos de ação incluem as áreas da tecnologia, educação, saúde e mobilidade física e podem ser ampliados de acordo com a necessidade e peculiaridade de cada município”, destacou.

Na ocasião, a coordenadora-geral do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa (CNDI), Eunice Silva, abordou o “Papel do Conselho dos Direitos da Pessoa Idosa no Programa Viver”. Na sequência, a coordenadora-geral do Sistema de Informações e Acompanhamento de Projetos, Kelly Andrade, tratou sobre a metodologia de prestação de contas dos equipamentos recebidos do Programa Viver – Envelhecimento Ativo e Saudável pelas Prefeituras.

Ao final do evento, os gestores da SNDPI, incluindo o chefe de gabinete, Paulo Rocha, compuseram uma mesa de compartilhamento, para uma conversa informal, na qual os presentes puderam levantar questões sobre o processo de implementação e execução do Programa.

 

Fonte: Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos