MJSP inicia capacitação de policiais brasileiros do Programa Academia Nacional de Polícia

As aulas do Programa Academia Nacional de Polícia (PANP) iniciaram no último dia 30, com palestra magna do vice-presidente da República, Hamilton Mourão, em Brasília (DF). A abertura contou com a presença do secretário Nacional de Segurança Pública, Guilherme Theophilo; do diretor-executivo da Polícia Federal, Disney Rosseti; do diretor de Gestão de Pessoal da Polícia Federal, Delano Cerqueira; da diretora da Academia Nacional de Polícia (ANP), Vanessa Leite e do diretor de Ensino e Estatística da Senasp, Jorge Pontes. Este ano 32 alunos serão capacitados.

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, apresentou um panorama dos desafios que cercam a nação brasileira, dentre eles, o combate à criminalidade. “O enfrentamento à criminalidade é uma das prioridades do governo federal, ao lado do estímulo à retomada da atividade econômica, o que também depende de um ambiente seguro. E toda esta questão da retomada do crescimento está muito ligada à segurança pública”, afirmou.

Mourão ressaltou ainda da necessidade de se combater o tráfico de drogas e de armas nas fronteiras, sendo necessária a integração entre os países da América do Sul. “Precisamos de uma integração firme para combater o narcotráfico e os outros ilícitos a ele ligados, como o contrabando de armas e o contrabando em geral”.

O vice-presidente destacou também a importância se investir nos aspectos sociais e na valorização das forças policiais. “O aparato policial tem que ser protegido e nós precisamos tentar resolver os problemas sociais, o problema das favelas. É preciso investir em políticas de Estado e não de governo”.

Para o diretor-executivo da Polícia Federal, Disney Rosseti, o Programa Academia Nacional de Polícia vai dar mais eficiência a formulação e execução das políticas de segurança. “Formular, gerir e executar políticas de segurança pública com eficiência e respeito aos direitos garantidos fundamentais é um grande desafio no Brasil. E a capacitação daqueles que laboram nas instituições policiais, a integração entre essas forças e o intercâmbio de experiências, sem dúvida, constituem pontos fundamentais para avançar na diminuição da criminalidade e da violência em nosso país”, disse.

O diretor de Ensino e Estatística (DEE) da Senasp, Jorge Pontes, destacou que o Programa contribuirá de maneira transformadora para a segurança pública do país, com a perspectiva de médio e longo prazo, diminuindo as assimetrias entre todas as polícias país. Pontes explicou ainda o formato do Programa. “Além das aulas, os alunos terão palestras com especialistas em Segurança Pública e visitas institucionais que agregarão conhecimento técnico aos participantes”.

Na visão do secretário Nacional de Segurança Pública, Guilherme Theophilo, o Programa Academia Nacional de Polícia contribuirá para o trabalho das forças policiais. “Ver esse projeto já sendo colocado em prática é motivo de orgulho para todos nós. O PANP é um marco para o MJSP e veio para atender à sociedade, uma vez que, capacitando os policiais brasileiros, estaremos agindo nos três eixos fundamentais do ministro Moro que é o combate à corrupção, aos crimes violentos e ao crime organizado. E esse networking entre os policiais promovido nesse curso vai ajudar a mudar a realidade da segurança pública do nosso país”, finalizou.

Sobre o Programa Academia Nacional de Polícia

A iniciativa do Programa Academia Nacional de Polícia (PANP) faz parte de um acordo de cooperação entre a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) do Ministério da Justiça e Segurança Pública e a Polícia Federal. Este ano, 32 policiais participam do programa, entre delegados das polícias civis e oficiais das polícias militares dos estados e Distrito Federal.

O Programa Academia Nacional de Polícia tem como modelo o “Programa FBI National Academy”, foi elaborado e adaptado conforme o cenário atual da segurança pública brasileira, visando aperfeiçoar os profissionais de segurança dos estados, aprimorando suas competências operacionais.

O aperfeiçoamento dos agentes de segurança terá duração de dois meses. Além das instruções diárias, os alunos realizarão visitas técnicas no Instituto Nacional de Criminalística (INC), no Instituto Médico Legal (IML), na Senasp e no Batalhão de Operações Especiais do Exército Brasileiro, em Goiânia (GO).

 

Fonte: Ministério da Justiça e Segurança Pública