Plano prevê estratégias para desenvolvimento sustentável de atividades pesqueiras e aquícolas

Documento, elaborado pela Codevasf, traça diretrizes até 2023

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), empresa pública vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), lançou no final de junho o Plano para o Desenvolvimento Sustentável das Atividades Pesqueiras e Aquícolas. O documento tem o objetivo de traçar um planejamento e diretrizes para as ações de pesca e aquicultura na área de atuação do órgão.

O lançamento foi realizado durante o I Ciclo de Debates Sobre Revitalização – Recursos Pesqueiros e Aquicultura, na sede da empresa, em Brasília (DF). Foram apresentadas as ações de revitalização dos recursos pesqueiros e de fortalecimento das cadeias produtivas da pesca e aquicultura executadas pela Codevasf, além de discussões sobre a regularização de projetos aquícolas em águas da união.

“Dados estatísticos revelam que a produção aquícola no mundo, hoje, já ultrapassou a produção pesqueira. O Brasil, com o grande potencial de águas interiores, já demonstra também essa tendência. Nesse cenário, a Codevasf tem muito a contribuir, pois atuamos em dezessete bacias hidrográficas principais e contamos com seis centros integrados de recursos pesqueiros e aquicultura que, desde a década de 70, desenvolvem pesquisa e tecnologia, bem como apoiam as cadeias produtivas”, afirmou Fábio Miranda, diretor da Área de Revitalização de Bacias Hidrográficas da Companhia.

O Plano prevê um horizonte de quatro anos (2020 a 2023) para a realização de ações de apoio técnico; estabelecimento de parcerias com instituições públicas e privadas, além de organizações de produtores, de pescadores artesanais e entidades internacionais; difusão de tecnologias de reprodução de espécies nativas; redefinição das principais ações para a revitalização dos recursos pesqueiros; e monitoramento da qualidade da água.

Área de atuação

A Codevasf tem suas ações nas bacias hidrográficas dos rios São Francisco, Parnaíba, Itapecuru, Mearim, Vaza-Barris, Paraíba, Mundaú, Jequiá, Tocantins, Munim, Gurupi, Turiaçu, Pericumã, Una, Real, Itapicuru e Paraguaçu nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Piauí, Sergipe, Tocantins e no Distrito Federal, bem como nas demais bacias hidrográficas dos estados de Alagoas, Maranhão e Sergipe.

 

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Regional