Professora de SP esteve entre as 10 finalistas a melhor do mundo

A brasileira Débora Garofalo, 39 anos, esteve entre os 10 finalistas a melhor professor do mundo. Ela leciona robótica na escola Almirante Ary Parreiras, na zona sul de São Paulo. Débora não venceu, mas se tivesse conquistado o prêmio de R$ 1 milhão, já tinha planos: investir na construção de laboratórios digitais em escolas públicas pelo Brasil.

O prêmio é o Global Teacher Prize, concedido pela Fundação Varkey e tem como patrono o emir de Dubai, xeique Mohammed bin Rashid Al Maktoum. O prêmio foi entregue no dia 24 de março, nos Emirados Árabes Unidos, ao queniano Peter Tabichi.

Sobre a finalista

Professora há 20 anos, sendo 14 deles na rede pública, Débora inicia as aulas sempre abordando problemas cotidianos dos alunos como, por exemplo, ligações clandestinas de eletricidade, alagamentos e a alta velocidade de veículos nos arredores do colégio. Com formação inicial em língua portuguesa, desde 2015 dá aulas de tecnologia.

Esse não seria o primeiro prêmio recebido por Débora pela qualidade de suas aulas caso tivesse conquistado o primeiro lugar. Ela já foi destaque da rede municipal de ensino de São Paulo, concedido pela Prefeitura da São Paulo.

Com informações da Folha de S. Paulo