Programa de Inovação Educação Conectada: mais de 101 mil escolas brasileiras serão atendidas pelo programa

A expectativa é de que até 2024 seja universalizado o acesso das escolas de todo o Brasil a ferramentas e plataformas digitais

O objetivo do Programa de Inovação Educação Conectada, desenvolvido pelo Ministério da Educação e parceiros, é apoiar a universalização do acesso à internet de alta velocidade e fomentar o uso pedagógico de tecnologias digitais na Educação Básica.

Nesse sentido, o Programa fomenta ações como auxiliar que o ambiente escolar esteja preparado para receber a conexão de internet, destinar aos professores a possibilidade de conhecerem novos conteúdos educacionais e proporcionar aos alunos o contato com as novas tecnologias educacionais.

Para tanto, o Educação Conectada foi elaborado com quatro dimensões: visão; formação; recursos educacionais digitais; e infraestrutura. As dimensões se complementam e devem estar sempre em equilíbrio para que a utilização da tecnologia digital tenha efeito positivo na educação.

Em três anos o programa havia atendido 94 mil escolas com fomento para conectividade e contratações de serviços de infraestrutura. O benefício é concretizado por meio do Programa de Inovação Educação Conectada (Piec), que visa apoiar a universalização do acesso à internet de alta velocidade e fomentar o uso pedagógico de tecnologias digitais na educação básica.

Somente em 2021, o MEC já enviou ao FNDE a autorização para descentralização de recursos para mais de 101 mil escolas que aderiram ao Programa. A expectativa é de que até 2024 seja universalizado o acesso das escolas de todo o Brasil a ferramentas e plataformas digitais.

Tanto as redes públicas de educação básica quanto as próprias escolas públicas podem aderir ao Programa de Inovação Educação Conectada: as redes, por meio do Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle (Simec); e as escolas, por meio do Sistema PDDE Interativo.

Além da universalização do acesso à internet, o Programa também objetiva dar autonomia aos professores na adoção de tecnologias para a educação; estimular o protagonismo do estudante; ampliar o acesso a recursos educacionais de qualidade; e incentivar a formação de professores e gestores em práticas pedagógicas que promovam o uso de tecnologia.

 

Com informações do Ministério da Educação.