Quatro unidades da Casa da Mulher Brasileira receberão cerca de R$ 16,5 milhões

Investimento irá possibilitar atendimento humanizado e integrado às mulheres vítimas de violência

Uma iniciativa do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), irá destinar quase R$ 16,5 milhões para a Casa da Mulher Brasileira em quatro municípios. São Paulo/SP (R$ 5,5 mi), Fortaleza/CE (R$ 2,07 mi), Curitiba/PR (R$ 3,4 mi) e São Luís/MA (R$ 5,4 mi) irão receber os recursos provenientes de emendas parlamentares, por meio do compromisso assumido pelo Governo Federal.

O objetivo do investimento é interromper os ciclos de violência contra as mulheres através da manutenção física dos espaços, prestação de serviços essenciais como transporte, segurança e limpeza, garantindo atendimento humanizado e integrado às mulheres.

Cristiane Britto, titular da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres (SNPM/MMFDH), afirma que os recursos representam uma vitória importante para as mulheres, uma vez que permite o pleno funcionamento das instalações.

CMB

A Casa da Mulher Brasileira foi instituída no país pelo Decreto nº 8.086, de agosto de 2013.

É uma inovação no atendimento humanizado às mulheres vítimas ou ameaçadas de violência doméstica. O programa integra, no mesmo espaço, serviços especializados para os mais diversos tipos de violência contra as mulheres: acolhimento e triagem, apoio psicossocial, delegacia, Juizado, Ministério Público, Defensoria Pública, promoção da autonomia econômica e cuidados para os filhos.

A Casa presta atendimento a mulheres que sofram qualquer tipo de violência de gênero, tais como: violência doméstica (física, psicológica, moral, sexual e patrimonial), violência sexual, assédio moral, assédio sexual, negligência, tráfico de mulheres, violência institucional, violência na internet, entre outras formas de violência contra as mulheres.

Atualmente, após denúncia formalizada nas Delegacias de Polícia, ou na própria DEAM, Delegacia da Mulher, as mulheres que precisam de atendimento ou acolhimento, após atendimento de um psicólogo, são encaminhadas para os serviços prestados nos equipamentos da rede integrada de atendimento à mulher.

Para denúncias entre em contato com a Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180).

 

Com informações do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.