UFMG e Bio-Manguinhos concluem kit sorológico para testes de covid-19

Primeiro lote do produto passará por última fase de testes antes de aprovação da Anvisa

Um lote piloto do kit sorológico IgG para covid-19, teste para detecção do novo coronavírus baseado no método Elisa, foi concluído pelo Centro Tecnológico de Vacinas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG – CT Vacinas) em parceria com a Bio-Manguinhos, unidade produtora de imunobiológicos da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Após a submissão do protótipo a testes e aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o produto poderá ser produzido em larga escala, e serão estudadas parcerias com órgãos de distribuição não comerciais.

O kit utiliza como base o método conhecido como Elisa – sigla, em inglês, para ensaio de imunoabsorção enzimática –, que se destaca por ser mais sensível do que os exames rápidos, o que evita falsos negativos. “Nossa proposta é de um sistema de diagnóstico que detecta a presença de uma classe específica de anticorpos, que são os mais duradouros em resposta a qualquer infecção, qualquer corpo estranho que entre no organismo, os anticorpos do tipo IgG”, explica o professor do Departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) e pesquisador do CT Vacinas, Flávio Fonseca.

O kit, que tem financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Vacinas (INCT-V) e da RedeVírus do MCTI, foi integralmente desenvolvido pelo CT Vacinas. Após os primeiros resultados positivos obtidos na UFMG, o material foi validado por outros laboratórios brasileiros, que procederam a análises independentes e emitiram laudos comprovando a boa performance.

A última etapa do processo foi o envio dos componentes para Bio-Manguinhos, com vistas à produção dos primeiros lotes para teste. Agora, com protótipos do kit prontos, serão realizados experimentos fora do ambiente do laboratório da Fiocruz, e serão enviadas amostras para a Anvisa. Após a aprovação da agência reguladora, prevista para setembro, a Bio-Manguinhos iniciará a produção em larga escala e estabelecerá contato com órgãos de distribuição sem fins comerciais, para que o produto possa chegar à população brasileira.

Com a proposta do CT Vacinas da UFMG, os pesquisadores buscam nacionalizar a tecnologia de diagnóstico. Segundo Flávio Fonseca, essa é uma necessidade “absolutamente premente”, já que a maior parte dos testes sorológicos para covid-19 existentes no Brasil foi importada, e a testagem da população é um dos maiores gargalos para o controle a doença no País.

“Como o mundo inteiro demanda insumos para combate à covid-19, os processos de importação podem durar meses. Portanto, a produção de testes em massa no Brasil é estratégica para que sejamos independentes nesse aspecto”, destaca o pesquisador.

 

Fonte: Portal Gov.br