Voluntários para estudo de eficácia da vacina contra a Covid-19 podem fazer pré-cadastro pela internet

Hospitais da Rede Ebserh em Brasília (HUB-UnB) e Curitiba (CHC-UFPR) participam de cooperação internacional

Os profissionais de saúde do Distrito Federal e de Curitiba podem se voluntariar para participar da pesquisa clínica que testa a eficácia da vacina contra o novo coronavírus, desenvolvida pela farmacêutica Sinovac Biotech em parceira com o Instituo Butantan. Participam do estudo 12 instituições no Brasil, incluindo o Hospital Universitário de Brasília da Universidade de Brasília (HUB-UnB) e o Complexo Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (CHC-UFPR), ambas unidades hospitalares vinculadas à Rede Ebserh.

Os interessados podem acessar o formulário online do Instituto Butantan, que funciona como uma plataforma de triagem, avaliando se o candidato cumpre os requisitos para o estudo. Quem for considerado elegível deve enviar nome e telefone para o e-mail exibido ao final do preenchimento do formulário.  Com o pré-cadastro, a equipe que integra a pesquisa entrará em contato com cada profissional para confirmar os dados e agendar o atendimento no HUB.

Durante a consulta, a equipe analisará as respostas do questionário e realizará outros exames para verificar se o voluntário pode participar da pesquisa. Ao aceitar participar da pesquisa, o voluntário assina um termo de consentimento e se compromete a comparecer às unidades de saúde periodicamente por um período de 12 a 16 meses para acompanhamento da saúde.

Podem se candidatar ao estudo apenas profissionais de saúde que cumpram os seguintes critérios:

    • Ter mais de 18 anos
    • Trabalhar em serviço de saúde atendendo pessoas com Covid-19
    • Não ter sido diagnosticado ou testado positivo para o vírus da Covid-19
    • Ter registro no conselho profissional regional
    • Não apresentar doença crônica
    • Se mulher, não estar gestante
    • Não participar de outro ensaio clínico

O voluntário aprovado receberá duas doses da vacina, com intervalo de 14 dias. Metade dos participantes recebe um placebo, que não tem efeito farmacológico, e a outra metade, o produto vacinal. A proposta é fazer a comparação entre os dois grupos.

A fase 3 do ensaio clínico foi autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). As fases 1 e 2 foram realizadas com cerca de 700 voluntários na China e os resultados demonstraram a produção de anticorpos neutralizantes em 90% dos participantes. Assim que forem comprovadas a eficácia e a segurança e a vacina seguir para registro da Anvisa, a Sinovac e o Butantan firmarão acordo de transferência de tecnologia para produção em escala e fornecimento gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Atuação da Rede Ebserh

Além do apoio ao ensino, formação e capacitação das equipes assistenciais, a Rede Ebserh implementou o Comitê de Operações Especiais (COE) para definir estratégias e ações em nível nacional para o enfrentamento da pandemia. Desde os primeiros anúncios sobre a Covid-19, a Rede Ebserh tem trabalhado em parceria direta com os ministérios da Saúde e da Educação, com participação nos COEs desses órgãos, e tendo como diretrizes o monitoramento da situação no país e em suas 40 unidades hospitalares.

Tem atuado na realização de treinamento de funcionários da Rede, promoção de webaulas, definição de fluxos e instituição de câmaras técnicas de discussões com especialistas. Promoveu processos seletivos emergenciais com a possibilidade de contratação de aproximadamente 6 mil profissionais temporários para o enfrentamento da pandemia

Também disponibilizou R$ 274 milhões para ações contra o coronavírus, recursos do Ministério da Educação (MEC) liberados pela Ebserh de acordo com a necessidade e urgência de cada unidade hospitalar. A verba está sendo utilizada em adequação da infraestrutura, aquisição e manutenção de equipamentos, compra de medicamentos e outros insumos, além de equipamentos de proteção individual.

Em algumas regiões, as unidades da Rede Ebserh têm atuado como hospitais de referência ao enfrentamento do Covid-19, enquanto que em outras, atuam como retaguarda em atendimentos assistenciais para a população, por meio do Sistema Único de Saúde.

 

Fonte: Portal Gov.br